My Review: O Último Mestre do Ar
em 21 de julho de 2013
Se lembram de semana passada que contei sobre minha frustada ida a locadora? Pois dessa vez eu fui mais esperta e fui na sexta feira. E consegui alugar o “O Último Mestre do Ar” e de quebra ainda trouxe um DVD de um show do Iron Maiden que estava lá e que o dono da locadora me disse que todo mundo leva achando que é filme de terror. Isso tudo só por que tem o Eddie de “Killers” na capa? (kkkkkkk). Eu estava muito curiosa para ver o filme, ver se era como no desenho e saber se era bom, mas...  não foi muito diferente do que acontece com os filmes assim. Ainda bem que nunca me dei ao trabalho de procurar por Dragon Ball Evolution, por que já me disseram que não é bom... Como sempre mudaram muitas coisas do desenho para o filme, coisas que penso que essencial para história se como a original. Vamos as criticas kkkk.

Sokka e Katara
Logo no começo já vemos que as coisas vão ser bem diferente, logo quando aparecem os personagens Sokka e Katara, que no anime tem a pele morena mais no filme me colocaram atores brancos (sem preconceito, só estou dizendo que tinha que ser como no original, como no anime). Os personagens são totalmente descaracterizados, com exceção da roupa e principalmente na personalidade. Tanto que Sokka tem um rabo-de-cavalo um tanto exagerado em relação ao anime e não tem aquele sarcasmo exagerado que tanto me faz rir no anime. A aparição de Aang, é bem diferente, já que no anime que o liberta é Katara e no filme é o Sokka, que inicialmente é bondoso com Aang enquanto no anime foi contra sua “chegada”.




Príncipe Zuko
Então chegamos a grande aparição do Príncipe Zuko, que como já disse anteriormente é o meu favorito no anime, o que já não posso dizer o mesmo do filme. Neste me colocaram um ator de pela morena, sendo que no anime Zuko tem a pela branco/pardo (novamente sem preconceitos). E me digam o que fizeram com o famoso rabo de cavalo de Zuko? Por que me parece que ter aquele rabo é ao importante o honroso no anime. Tanto que no Livro da Terra Zuko e seu tio, cortam os seus rabos de um jeito um tanto “simbólico”, como se tivesse um significado especial. A cicatriz de Zuko não é algo visível como no anime. Queimaduras sempre chamam a atenção, ainda mais se ficam em lugares expostos o tempo todo, mas a de Zuko no filme não deve ser uma cicatriz de queimadura ¬¬. Tirando isso Zuko do filme mantêm uma característica “parecida” com a do Zuko original.



Aang
Agora falando do personagem principal, Aang, esse sim parece muito com o original do anime, com exeção de quando ele faz a dominação dos elementos. Até o meio do filme o ator parece não ter jeito para executar as posições de dominação mais ao decorrer do filme ele acaba pegando o jeito da coisa. Kkkkkk. O Aang do filme também não é tão infantil como o do anime.




A História
Agora vamos à história, por que essa sim foi distorcida! Minha opinião. Alguns momentos que acho crucial para a história foram totalmente ignorados e principalmente os momentos de adrenalina dos combates, com no início após Aang se capturado e consegui fugir do navio de Zuko. No anime, Aang entra no estado Avatar e derruba uma geleira no navio de avariando a embarcação, o que não acontece do filme. Ou seja, sem muitas emoções iniciais.


Frustrada Saga de Fim de Semana
em 14 de julho de 2013
Ontem eu acordei com uma vontade estranha de ir a locadora, de ver algo diferente. Então lá foi eu com meu pai em busca de algo novo. Fui até a locadora sem ideia do que iria alugar, não tinha nem um filme em mente, mais lá fui eu. Quando cheguei lá e comecei a procurar por algo, não tinha nada além de filmes de terror (que eu não gosto), filmes que eu já tinha visto milhões de vezes e filmes que eu não queria ver (tipo Crepúsculo...). ai de repente encontrei algo que eu nunca tinha visto, que queria ver, e que nunca imaginei que encontrar na pacata locadora do meu bairro. Sim lá estava em minha mão o filme “O Último Mestre do Ar”, que é um filme baseado no desenho/anime, “Avatar – A Lenda de Aang”, que fiquei sabendo a pouco que existia um filme sobre Avatar. Rapidamente o agarrei e senti que aquela ida a locadora tinha valido a pena.  Continuei a busca e peguei também o filme “O Mito” de Jackie Chan. Eu sou um grande fã de Jackie Chan, tenho muitos filmes dele e também acompanhei sua empreitada no mundo dos desenhos com  “As Aventuras de Jackie Chan”.


Veja o review aqui

Especial Dia Internacional do Rock
em 13 de julho de 2013
Hoje, no dia internacional do Rock, vou lhe contar como tudo começou e como eu comecei a gostar e me apaixonar e curti este estilo maravilhoso de música, ás vezes muito criticado pela maioria das pessoas.
Acredite ou não eu comecei a gosta de rock, ouvindo Zé Ramalho quando tinha 10 anos. Meu pai é um grande fã de Zé Ramalho, tem vários discos antigos dele, e como ele sempre ouvia as musica eu passei a gostar. Em 2001 meu pai apareceu com uma coletânea que todos devem conhecer “Lovy Metal”. Meu pai também gosta muito de Scorpions e parece que é fanático pela música “Wind Of Change”, que por consciência estou ouvindo agora! Eu escutava essa coletânea sem parar, e como eu ficava muito com os meus primos que já gostavam de rock, também passei a gostar! Lembro-me até hoje de quando comprei meu dois primeiro CDs de rock, o “Draw The Line” e “Use Your Illusion” dos lendários Aerosmith e Guns N’ Roses. Meu pai também pegou emprestador com o meu tio um CD do Pink Floyd que até hoje tá aqui em casa (kkkk), já é nosso. Até então eu tinha apenas esse discos para escutar e mais nada!
Em 2005 eu ingressei no 2º ano do ensino médio e fiz novo amigos. Uma dessas novas amigas, Nati (grande amiga até hoje! :)), me apresentou ao Nightwish e o After Forever, me emprestando os discos “Once” e “Decipher”. Também me lembro muito bem desse dia, cheguei em casa ansiosa para ouvir, e quando coloque o CD “Decipher” e começou a tocar a instrumental “Ex Cathedra”, pensei que minha amiga tinha me dá um CD errado, pois parecia música clássica. Mas logo que entrou a emblemática “Monolith Of Doubt”, fiquei realmente impressionada. Como misturaram musica clássico com rock? Já “Once”, soou meio estranho para mim no início mais isso repentino, e logo já estava ouvindo loucamente o álbum e After Forever se tornou minha banda favorita.



Sakura Card Captors Original Soundtrack 3
em 7 de julho de 2013
Eu estava a bolar um belo post para hoje. Ele já que estava agarrado há algum tempo por que demandava muita pesquisa. Hoje eu resolvi retoma-lo, por que sentir que a hora dele ser postada tinha chegado... Mais foi interrompida, desta vez, para atender compromissos familiares. E agora perdi toda a inspiração que tinha adquirido de manhã.... Isso me deixa irritada e agoniada, por que agora não sei sobre o que escrever então estou desabafando (rsrsrsrs).



Bem... para não passar em branco post mais uma da série de trilha sonoras, desta vez, e pegando o embalado por que estou assistindo (de novo), vamos de Sakura Card Captors. Os CD's que mais gostei da trilha sonora de Sakura foram os 3 e 4, eis abaixo o disco 3. Just Listen!

Card Captors Sakura - Original Soundtracks 3

01.Tobira o Akete 

02.Clow Read no Densetsu 

03.Hangeki Kaishi 
04.Shinobiyoru Kage 
05.Kyouteki Shutsugen 
06.Kusen 
07.Yoru no Uta (Piano Version) 
08.Honey (Sakura's Version) 
09.Ganbare Sakura 
10.Mou Hitori no Shugosha 
11.Fuun no Kemono Cerebus 
12.Tomoe 
13.Saigo no Kaado 
14.Saigo no Shinpan 
15.Omoide ga Kiechau 
16.Shinpan Zokkou 
17.Kaado o Tsugu Mono 
18.Suiki Toiu Kimochi 
19.Honey

Os Mistérios de Digimon
em 4 de julho de 2013
Inicialmente Digimon pode parecer um anime bem bobo, feito mesmo criancinhas cheio de coisas infantis. Mas se você olha profundamente a história das 7 (depois 8) digi-escolhidos, vão se surpreender com os mistérios ocultos. Uma vez eu estava na faculdade e começou uma discussão sobre maçonaria, eu não entrei no bate-papo, mais naquele instante imediatamente me lembrei de Digimon. E vocês vão perguntar: O que isso tem a ver com Digimon? Pois bem, foi quando mencionaram o símbolo da maçonaria que me lembrei de já ter visto aquilo em algum anime. Então percebi que alguns dias antes eu tinha assistido ao episódio 27 “O Castelo Mágico de Myotismom”, de Digimon, e que fora lá que tinha visto o símbolo.
Já tinha uma curiosidade em saber o que Myotismom dizia ao abrir o portão para o mundo real dispondo as cartas na mesa de pedra. Isso sempre me intrigou mais nunca pesquisei sua relação. Foi nesse instante que resolvi procurar para saber o que tudo aquilo significava. O melhor meio de encontrar a resposta era perguntando para o Dr. Google, que me respondeu muito bem. Encontrei um blog com várias analise sobre Digimon. Esclareceu muita coisa e em alguns casos percebi que eu não era a única a pensava de certo jeito, eu li todas e gostei muito :). Abaixo lhes deixou o link, recomendo que leiam, pois é muito bem elaborado e interessante faz você ter outra visão do anime, e mostre que ele não é um anime tão infantil como muitos pensam!
See you the next digi misteries, 
Lucy