28 de agosto de 2016

Por Trás das Letras: Blücher

Algumas músicas sempre nos chamam a atenção, seja por sua sonoridade, letra e as vozes ou narrações que as completam. Sem dúvida, Blücher, da banda Kamelot, é uma dessas que te faz querer saber o que a banda está dizendo ou contando. Blücher é a quinta faixa do álbum “Ghost Opera” da banda Kamelot lançado em 2006. Ela começa com som de vento e água, seguido de sussurros e até mesmos uma transmissão a rádio e por fim o avião passar por nossas cabeças abrindo caminho para a banda entrar!




Com base nesses sons preliminares, e alguns trechos da canção conclui-se que Blücher fala sobre a última atuação do cruzador alemão construído após a ascensão do partido nazista em agosto de 1936. O cruzador também carrega o nome do Marechal-de-Campo Gebhard von Blücher Leberecht que liderou o exército da Prússia contra Napoleão na Batalha das Nações e na Batalha de Waterloo.


Fonte: wrecksite.eu

Blücher foi utilizado pelas forças alemãs para invadir a Noruega em 1940, como parte da “Operação Weserübung” durante a Segunda Guerra Mundial. Embora neutra, a Noruega foi considerada estrategicamente importante, devido ao porto de Narvik, a partir do qual eram exportadas grandes quantidades de minério de ferro da Suécia, além de ser uma rota importante nos meses de inverno, quando o mar báltico ficava completamente congelado.
Na primeira estrofe, Roy parece se referir a Noruega quando diz “In the land of the undying sun” (na terra do sol imortal), já que Noruega é conhecida pela terra onde o sol nunca se põe ou o sol da meia noite.

Obscura é a luz de um novo dia
Na terra do sol imortal
Vazio é o silêncio que me rodeia
Distante é o som de uma arma
Dim is the light of a new day
In the land of the undying sun
Hollow the silence around me
Distant the sound of a gun

Blücher seguiu destino para Olso em 8 de abril de 1940, acompanhado de outros dois cruzadores: Lützow e Emden. Pouco depois das 23:00 (hora norueguesa), o comboio alemão foi avistado pela patrulha norueguesa, que apesar de abatidos pelos alemães, não foi possível impedir a patrulha de disparar o alarme que de estavam sendo atacados por navios desconhecidos. Foram disparados dois tiros de advertência, mas a visibilidade era ruim e não foi possível acertar o cruzador. Blücher procedeu para chegar a Olso ao amanhecer, ele foi avistado novamente pelos holofotes norueguês que iluminaram o navio, e as armas da Fortaleza Oscarsborg abriram fogo contra Blücher muito de perto, iniciando a Batalha de Drobak Sound.


Porém o caos começou quando uma bomba de 28cm explodiu no hangar de aviões do navio, dando início a um grande incêndio, e com o fogo intenso, explosivos transportados para a infantaria foram detonados, prejudicando ainda mais os esforços de combate ao incêndio. Então, Blücher foi nocauteado por torpedos terrestres em seus motores. Por fim, o incêndio atingiu um porão de munição, e uma grande explosão, rompeu as anteparas do navio e rasgou bancas do cruzador. Ás 06:22 (hora da Noruega), Blücher finalmente sucumbiu e desapareceu abaixo da superfície, iniciado um grande vazamento de petróleo que cobriu de preto 2 mil soldados que ainda lutavam por suas vidas nas águas geladas. O óleo pegou fogo rapidamente matando centenas de alemães. Com essa investida, a Noruega conseguindo salvar o rei e o governo norueguês de ser feito prisioneiro.
Roy no narra o momento que Blücher é alvejado quando diz: “Incoming shot cross the bow” e da agonia dos soldados que ainda lutavam nas águas geladas: “Frost misty waters around me”.

À bombordo próximo ao litoral
Me pergunto onde ela está
O tiro que vem atravessa a proa
Ela irá se lembrar de mim
Port side is close to the shore
I wonder where she is
Incoming shot cross the bow
Will she remember me

Lamente, minha lua de abril
Alma abandonada por Deus
Eu lembro de você
Venha comigo esta noite
Wail, my April moon
God forsaken soul
I remember you
Come with me tonight

Maldito é o nascer de um novo dia
Revelações da morte e do desespero
Águas nebulosas e geladas em minha volta
O medo frenético e nu
Damned is the dawn of a new day
Revelations of death and despair
Frost misty waters around me
Frantic and naked the fear

Blücher permaneceu na parte inferior de Drobak a uma profundidade de 210 pés e estava constantemente vazando óleo. Em 1991 a taxa de vazamento havia aumentado para 50 litros por dia, ameaçando o meio ambiente. Em 1994 a empresa Rockerwater SA em conjunto com mergulhadores removeu 1000 toneladas de óleo, que após processo de limpeza foi vendido. A operação de extração do óleo também possibilitou recuperação de duas aeronaves Arado 196 que agora estão no museu de aviação Flyhistorisk Museum, Sola.

Through Lucy Eyes

Template por Butlariz Modificado por Lusy Oliveira